falecom@consecti.org.br
(61) 3702-1740

EUA apertam ainda mais o cerco à exportação de chips para a China - Consecti

EUA apertam ainda mais o cerco à exportação de chips para a China - Consecti

Notícias
10 outubro 2022

EUA apertam ainda mais o cerco à exportação de chips para a China

Os Estados Unidos endurecem a guerra fria com a China na área de Tecnologia. Nesta sexta-feira, 07/10, o governo Biden anunciou novos limites à venda de tecnologia de semicondutores para empresas chinesas.

A ação do governo norte-americano é o sinal mais claro de que um impasse perigoso entre as duas maiores superpotências do mundo está cada vez mais ocorrendo na esfera tecnológica, com os Estados Unidos tentando estabelecer um domínio sobre computação avançada e tecnologia de semicondutores que são essenciais para as ambições militares e econômicas da China.

O pacote de restrições, que foi divulgado pelo Departamento de Comércio, é projetado em grande parte para retardar o progresso dos programas militares chineses, os quais usam supercomputação para modelar explosões nucleares, orientar armas hipersônicas e estabelecer redes avançadas para vigiar dissidentes e minorias, entre outros.

Oficialmente, as regras, que entram em vigor de forma imediata, obriga aos principais fabricantes de ferramentas KLA Corp (KLAC.O), Lam Research Corp (LRCX.O) e Applied Materials Inc (AMAT.O) que parem de fornecer equipamentos para fábricas chinesas, produtoras de circuitos lógicos avançados

Especialistas em tecnologia avaliam que as novas regras impõem os mais amplos controles de exportação emitidos em uma década. Embora semelhante à repressão do governo Trump à Huawei, as medidas são muito mais amplas, impactando dezenas de empresas chinesas. E, ao contrário da abordagem do governo Trump – vista como agressiva, mas dispersa – as atuais regras parecem estabelecer uma política mais abrangente para interromper as exportações de ponta para uma série de empresas de tecnologia chinesas, de forma a limitar a capacidade nascente da China de produzir chips avançados.

Fonte: Convergência Digital